Home
http://www.revistaadventista.com.br/wp-content/uploads/2016/01/Campo-ou-cidade-1024x683.jpg

Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa
 

De acordo com o profeta Sofonias, Nínive era uma cidade orgulhosa: “Essa é a cidade que exultava, vivendo despreocupada, e dizia para si mesma: ‘Eu, e mais ninguém!’ (Sf 2:15). Nínive era um grande centro cultural e religioso, especialmente em função do templo construído para Ishtar, a deusa da fertilidade, amor e guerra. É para esse contexto e cidade que Deus diz: “Vá à grande cidade e prega contra ela...” (Jn 1.2a). Um duplo desafio: ir e pregar contra. Uma coisa é ser convidado para pregar em uma cidade numa conferência missionária; outra coisa é pregar contra a cidade, sabendo do enfrentamento e confronto com os poderes desse povo rebelde. 

Da narrativa de Jonas aprendemos que Nínive era uma grande cidade (1.2; 3.2; 4.11); cheia de maldade (1.2; 3.8); violenta (3.8) e constituída de cidadãos que não distinguiam o certo do errado (4.11). Diante de tais realidades, Deus não se cala e Nínive passa a estar debaixo da ameaça de destruição (3.10) e por isso a convocação: “Vá à grande cidade e prega contra ela...” Sim, Deus é contra situações que conspiram contra a dignidade da vida. O Antigo Testamento revela, pelo menos, cinco motivos condenatórios da cidade:

Opressão: o tratamento injusto do pobre pelo rico, do fraco pelo forte, dos governantes que oprimem seus cidadãos, violência, suborno, extorsão, dos opressores dominando as cidades (Sf 3.1; Am 4.1; Ez 22.6-13; Jr 6.6).

Idolatria: centros de adoração aos ídolos, sincretismo religioso, culto aos bens materiais, corpolatria, magias, feitiçarias, pactos malignos. Jeremias imaginou pessoas andando nas ruínas de Jerusalém e perguntou: “Por que o SENHOR fez uma coisa dessas a esta grande cidade?” (22:8). A resposta “foi porque abandonaram a aliança do SENHOR, do seu Deus, e adoraram outros deuses e prestaram-lhes culto” (22:9) (Ver também Mq 5.11-14; Na 1.14; Jr 22.8-9).

Derramar sangue inocente: cidades são lugares onde a violência é nítida. Gente que morre por causa da insanidade no trânsito, meninos aviãozinho que são exterminados como queima de arquivo; assaltos, morte por balas perdidas. Duas vezes Ezequiel fala: “Ai da cidade sanguinária” (24.6, 9) e declara que “o sangue que ela derramou está no meio dela; ela o derramou na rocha nua; não o derramou no chão, onde o pó o cobriria”. Seria aqui um eco do sangue de Abel clamando contra os primeiros construtores das cidades? (ver ainda Hc 2.12; Ez 22:3-4; 24.6-9; Jr 26.15).

Imoralidade: Sodoma e Gomorra são conhecidas pela sua perversão sexual assim como muitas outras cidades que se tornaram centros de promiscuidade (Corinto). Em um dos capítulos mais chocantes da Bíblia, Ezequiel (16) compara a imoralidade de Jerusalém muito próxima ao comportamento de Sodoma. É valioso notar neste capítulo que o pecado da injustiça e da imoralidade são expostos e condenados juntos (ver também Na 3.4; Ez 16:1-63; 22.6-13).

Orgulho: arrogância, altivez e a dureza da cidade em relação a Deus. Sofonias captura o espírito da cidade de modo perfeito quando escreveu assim de Nínive: “Essa é a cidade que exultava, vivendo despreocupada, e dizia para si mesma: ‘Eu, e mais ninguém!’”. Essa é uma linguagem de divindade e orgulho excedente (ver também Sf 2.15; Ez 16:49; 27.3; 28.2; Is 3.9).

Jonas sabia muito bem para onde ia. Mas se esqueceu com quem ia – com o Senhor e sua Palavra – “a palavra do Senhor veio a Jonas” (1.1; 3.1). Depois de suas dramáticas experiências de recusa, “Jonas entrou na cidade e percorreu durante um dia, proclamando...” (3.4). Eram necessários três dias para percorrer a cidade, mas ele vira recordista, e faz em apenas um (3.3-4), numa possível demonstração de insatisfação e desinteresse. Como “a salvação vem Deus” (2.9c), prova evidente da missio Dei, o milagre acontece e toda a cidade se arrepende (cobrem-se de pano de saco homens e animais – 3.9). Isso provoca Jonas a trazer do fundo do seu coração sua justifica de fuga missionária: “foi por isso que me apressei em fugir para Társis. Eu sabia que tu és Deus misericordioso e compassivo, muito paciente, cheio de amor e que prometes castigar mas depois te arrependes” (4.2). E é nesse momento que pede para Deus tirar sua vida! O que devia ser motivo de alegria tornou-se em motivo de desgosto e desilusão. Assim, “sentou-se num lugar a leste da cidade... e esperou para ver o que aconteceria com a cidade” (4.5). Já que ele estava esperando para ver o que aconteceria com a cidade, então teria tempo suficiente para refletir algumas coisas. E Deus lhe proporciona um tema: “Não deveria eu ter pena dessa grande cidade?” (4.11).

Mesmo não concordando com Deus, Jonas nos fez o favor de revelar as atitudes necessárias que devemos ter para proclamar esperança para cidades condenadas: misericórdia, compaixão, paciência, amor e a oferta de novas chances (que prometes castigar, mas depois te arrependes).

Sim, Deus detesta os pecados da maldade e violência da cidade. Mas a boa notícia é que Ele ama ao invés de abandonar a cidade – a proclamação, neste caso, é contra o pecado, mas sempre a favor da vida. É muito importante descobrirmos o equilíbrio do tratamento bíblico sobre a cidade, porque ou vamos odiá-la ou justificar seus pecados. Existe esperança para a sua cidade? A resposta depende de duas atitudes: (1) sentar num lugar da cidade e esperar para ver o que vai acontecer com ela; ou (2) proclamar esperança e provocar mudanças de atitudes porque “a salvação vem Deus” (2.9c). Deus teve pena de Nínive. Você e sua igreja têm da sua cidade?

Newsletters

Inscreva para receber as novidades de Missão Urbana. Indique alguém, basta inserir o nome e email. Obrigado!

Minha agenda

  • 07 - 09/09 - CONFERÊNCIA TARGET - ALPHAVILLE
  • 12 - 13/09 - SEMINÁRIO TEOLÓGICO REFORMADO DO AMAZONAS
  • 14 - 17/07 - FÓRUM DE MISSÃO TRANSFORMADORA - IGREJA BATISTA DA ORLA - NITERÓI
  • 21 - 24/09 - FÓRUM DE MISSÃO TRANSFORMADORA - IGREJA BATISTA MEMORIAL - BRASÍLIA
  • 24 - 27 /09 - FTSA - LONDRINA
  • 28 - 29/09 - REJUDES - SÃO PAULO